Viae na Prática

Trabalhando a empatia, resiliência e a importância do coletivo, os alunos do 6º Ano se envolveram em um projeto inspirador, onde exerceram o papel de incentivadores de pessoas.

Um aluno da turma passou por um processo bem difícil, uma síndrome do pânico bastante severa, ficando impedido de comparecer às aulas, os colegas de turma mesmo sem saber que tipo de enfermidade o amigo tinha, primeiro pelo fato de não expormos a situação do mesmo, segundo por ser difícil a uma criança aos 10 anos entender tal processo, resolveram trabalhar para ajudá-lo e, para ele perceber a sua importância no grupo.                     

Em uma das aulas de revisão, que incluía as habilidades, surgiu o questionamento de como que estava o colega com síndrome do pânico, eles achavam estranho a não presença do mesmo em sala de aula, os alunos se questionavam sobre o quão difícil seria não participar da rotina normal. Então, eles se organizaram, e se mobilizaram para escrever cartas de incentivo, trouxeram alimentos e resolveram levar a escola até a casa do aluno com síndrome do pânico, mostrando ao colega apoio, empatia e uma festa de aniversário que envolveu um trabalho de grupo fantástico.                       

A experiência foi incrível, a família recebeu a turma do 6º ano de braços abertos, o colega se sentiu feliz e deu uma aula de resiliência, enfrentou seu problema e, na segunda-feira seguinte estava no colégio, retornando às atividades normais.

Os primeiros dias foram complicados, precisou de amizade e apoio. Hoje está conosco, participando das aulas ativamente.